Automação na Cadeia de Frio: Como funciona e quais os ganhos

Automação na Cadeia de Frio: Como funciona e quais os ganhos

Cadeia de Frio, do inglês Cold Chain, é uma cadeia de suprimento em que a temperatura é controlada.

Uma cadeia de frio contínua se faz com uma série ininterrupta de atividades de produção, armazenamento, transporte e distribuição de produtos mantidos sob refrigeração. Para tanto, são usadas salas resfriadas, câmaras frias, meios de transporte com capacidade de manter e gerar frio, embalagens adequadas, tecnologias de monitoramento, etc.

O objetivo de manter uma cadeia de frio ininterrupta é o de preservar, ampliar e garantir a vida útil (shelf life) de produtos perecíveis como frutas e verduras, carnes e pescados, lácteos, produtos químicos, medicamentos, amostras de materiais biológicos, vacinas e medicamentos veterinários, entre tantos outros.

A condição adequada da cadeia de frio, da produção até a entrega ao consumidor final, traz desafios que variam dependendo do produto, processo de produção, logística e distribuição.

Importante sempre lembrar que cada produto tem uma condição ideal de preservação no que se refere ao parâmetro de temperatura. Além disso, o controle de umidade também pode ser relevante em alguns casos.

Benefícios e variáveis a considerar da automação na cadeia de frio

A automação na cadeia de frio ajuda a reduzir processos manuais repetitivos e aumentar a produtividade e qualidade, também é capaz de reduzir custos com energia, auxiliar no cumprimento de normas regulamentares, reduzir riscos com perdas e melhorar o ambiente de trabalho. Alguns exemplos de automação na cadeia de frio são: automação na produção ou processamento, do armazenamento, da seleção e separação de pedidos e do monitoramento de produtos específicos durante o transporte ou armazenamento.

Entretanto, algumas variáveis devem ser consideradas antes de optar pela automação. Entre elas:

    • Tamanho da operação;
    • Tipo de operação: produção ou processamento, armazenagem, transporte;
    • Diversidade de produtos;
    • Parâmetros de temperatura e umidade para conservação ideal:
        • Produtos congelados;
      • Produtos resfriados;
  • A complexidade da logística.

Pode-se inferir que operações grandes e de produtos homogêneos, mantidos em condições semelhantes, são candidatos mais passíveis de receber os benefícios da automação no que se refere à produção ou processamento e armazenagem. Enquanto que operações menores e que lidam com produtos diversos, em diferentes embalagens e com requerimentos diferentes de temperatura, tendem a não justificar o investimento.

Automação de câmaras frigoríficas

O trabalho dentro de um ambiente cuja temperatura média fica ao redor de zero grau Celsius demanda cuidados específicos como roupas de frio, pausas para aquecimento do trabalhador, etc. A hostilidade nesses ambientes aumenta à medida que a temperatura baixa para os níveis de congelamento, chegando ao redor de  -20°C.

As estruturas de câmaras frias têm em comum antecâmaras, para evitar a exposição à temperatura ambiente de produtos resfriados durante seu carregamento e descarregamento. Estruturas verticais automatizadas, no sistema AS/RS Automated Storage/Retrieval Systems,  servem-se de transelevadores e mesmo robôs, e permitem que o produto paletizado seja acondicionado, depois de devidamente identificado e seus dados inseridos num sistema de gestão de armazenamento, um WMS. Da mesma forma, posteriormente entregue ao cliente sem a presença intensiva de pessoas nesse ambiente.

E a temperatura, foi mantida no transporte?

Imagine o leitor uma situação de produtos fracionados, ou que exijam o uso do modal de transporte rodoviário combinado com o aéreo. Difícil? Pois saiba que isso é bem corriqueiro para produtos biológicos.

Agora imagine estruturas menores, que lidam com volumes menores. Ainda que elas completem um caminhão frigorífico ou se faça o co-loading (embarque junto com outras empresas para o mesmo destino), como saber se o transporte não diminuiu a vida útil do produto pelo não fornecimento de frio durante toda a viagem?

E, havendo interrupção de frio, como saber por quanto tempo o produto esteve nessa condição?

Como está o desempenho do frio na armazenagem?

O desempenho do frio refere-se à manutenção adequada da temperatura para o produto armazenado.

Quando se fala em armazenagem, igualmente há um universo variado de locais de estocagem de alimentos e perecíveis. Câmaras frias são de portes diversos e podem ter distribuição desigual de frio. Geladeiras e freezers podem sofrer aumento de temperatura interna em momentos como abertura de portas ou em casos de interrupção no fornecimento de energia.

Os impactos de tais situações na qualidade dos itens estocados só serão conhecidos se houver monitoramento específico e contínuo.

Tecnologias como dispositivos data loggers acionados por Bluetooth (smartphone) são soluções flexíveis para diversas aplicações. Combinados com Gateways, sistemas que interligam e coletam dados de diversos dispositivos, eles possuem condição de coletar dados de temperatura e umidade automaticamente e gerar alertas em tempo real.